sábado, 6 de novembro de 2010

Pouco fôlego


A asma é como a paixão. Depois que te pega, não há como escapar. Falta ar, o coração acelera. Falta ritmo, o peito pesa. Falta motivação para qualquer outra coisa. A paixão é como a asma, mas não há bombinhas para amenizá-la.

― É doença de poeta ― ponderou o amigo.

Ambas. Asma e paixão.

3 comentários:

Sandryne Barreto disse...

Nelson e Gu, Gu e Nelson.

Mary Jo disse...

poderemos ser poetas entao?

Gustavo Jaime disse...

Todos nós somos poetas, Mary. De uma maneira ou de outra. Nem sempre a poesia nasce de palavras no papel... uma atitude, um gesto, um olhar, um silêncio, tudo isso pode vir a ser, de certo modo, poesia.

Tem um poeta brasileiro, Mario Quintana, que revelou: "Às vezes a gente pensa que está dizendo bobagem e está fazendo poesia."