segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

O sono é mais íntimo que o sexo


Não há intimidade mais íntima que a intimidade de dormir a dois. O sexo é irrelevante diante do ato de dividir uma cama no repouso noturno. Até o beijo é menos íntimo, menos invasivo. Na hierarquia das intimidades a ordem é: 1) cagar, 2) dormir, 3) beijar e 4) transar.

Pode parecer gozação, mas raciocine: com quantas pessoas você já adormeceu junto? Pensando bem, só é íntimo demais dormir após ter feito sexo. Um amigo, quando não consegue escapar da “conchinha”, passa a noite sem pregar os olhos, jurando que da próxima vez vai bancar uma desculpa melhor para rumar porta afora.

O sono, inclusive, arruína relações. Já ouvi de um casal amigo: “Nossa, o Mário ronca tão alto que parece que durmo com uma britadeira! Super brochante!”. Enquanto o pobre Mário replicava sobre a esposa: “Pior é a Célia, que usa aquele pijama de veludo e ainda fica ruminando...”.

Talvez seja isso quando aconselham que os sonhos de ambos precisam se encaixar. Literalmente. Mais que os planos e os corpos.

Um comentário:

Flora disse...

isso me lembra nossa conversa. E realmente é verdade! =D ótimo!