sábado, 5 de fevereiro de 2011

O melhor a acreditar


É melhor acreditar que ela ainda recorda quando ela não responde. Melhor acreditar que tem medo de se machucar, que fugir pode ser covarde, mas serve para colocar as ideias no lugar.

Quando ela não responde, melhor acreditar que é porque está a pensar. Que ela pega o telefone e começa a teclar o número, mas desiste no meio. Pra que trocar o certo pelo duvidoso, a realidade pela quimera? Melhor acreditar que ela não quer se incomodar, quando ela não responde.

Todas essas explicações servem para apaziguar a alma, para admitir que o silêncio é excesso de dizeres e nunca falta de palavras. Quando ela não responde, melhor acreditar no que ficou de bom que desacreditar na sinceridade prévia. Melhor conservar o desvario do passado que descobrir a aridez no futuro.