terça-feira, 6 de setembro de 2011

18

Era sete anos mais velha que eu. Era não – é. Estava casada. Mas foi crescendo uma admiração mútua tão forte, tão sincera, que já era impossível evitar de nos querer um ao outro. Seu cheiro era terno, seu jeito era seguro, sua pele era leite. E depois tudo foi despedida, foi adeus, foi desencontro, foi.

Ia dizer, equivocadamente, que fora meu último amor. Mas não – depois dela teve a Vera. E isso já leva tempo. Amor, amor, nenhum mais. Uma e outra paixão, camuflada na carência de viver sozinho e longe, em terra alheia. E por que não disse à Vera que a amava? Às vezes penso nisso e chego à conclusão que deve ter havido um motivo para a omissão.

Foi um tempo que compus muitos poemas. De 2006 até 2009 foram mais de trezentos. Uma média de cem versos por ano. E atualmente já não escrevo estrofes, sonetos, rimas – em 2010 e 2011 voltei à crônica e arrisquei-me no mundo dos contos, sem êxito. Amor é prosa, sexo é poesia? Talvez para mim a máxima sirva ao revés.

Mas comecei falando disso por algum motivo especial que não me lembro qual. Na minha mente repete-se o desfile do casal que passou por mim outro dia, de mãos atadas e sorrisos cúmplices. E sempre que vejo tal cena, com um olhar de cão abandonado, penso por que não comigo? Já tive o amor de tantas mulheres, já desfilei a mais plena admiração feminina, e, hoje, privado do élan narcisista, mendigo o sentimento pelas ruas.

É isso que virei, é isso que sou hoje: um pedinte. Estendo a mão e me curvo para qualquer possibilidade de encantamento. A admiração espontânea deu lugar a uma necessidade de gostarem de mim, a uma necessidade de aceitação. Nada mais “inatural”, mais vazio de sensibilidade e de sensações, que um amor dado como esmola. Amor não se pede – se conquista. Até amanhã.

3 comentários:

Bípede Falante disse...

Gosto muito muitíssimo do modo como você escreve!

Bípede Falante disse...

E gosto muito da personalidade que esse eu desfila, personalidade um tanto superior sem deixar de ser simples...

Tenho a chave disse...

ual...