terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

A conversa que antecede o gozo (Parte Final)



― Pronto. ¿E agora?
― Agora... ― a voz de Rubem tremeu. Limpou a garganta. ― Agora, enquanto te elogio e digo o que quero fazer com você, você começa a se tocar devagar.
― Está bem. Mas não é um pouco esquisito? Sei lá, parecem aqueles vídeos caseiros da internet.
― Quê?
― Os vídeos da internet ― repetiu mais forte, lembrando-se em seguido que sua mãe estava em casa.
― Só o começo... depois não.
― Na verdade, você já está bem à vontade né?
― Olha, a conexão está mal... Não te entendi. Repete, por favor?
― Eu disse que você já... Ah, esquece. Vamos começar logo. Vou tirar o sutiã.

Maria passou os braços por dentro das alças, virou a peça rapidamente e liberou o fecho. Tímida, manteve seus seios escondidos por um abraço que se dava a si mesma. Do outro lado da tela, Rubem assistiu aos movimentos em câmera lenta e com cortes. Perdeu o ministriptease quase por completo e se deparou com a imagem da garota já despida sem poder identificar bem o que eram suas curvas por causa da má qualidade do vídeo.

― Ei, Mari… Ma... Droga, está dan... ...blema aqui. Nã... ...sigo te ... bem, a tran...ssão está ru..., es... ...ando.
― A...i tamb... está ma... Não ...jo na... bem.

As vozes saíram espaçadas e confusas. A conexão se converteu numa tentativa frustrada de comunicação.

― Oláááá, Maria? Alô, alô, está me ouvindo?
― Rubem? Rubem?
― Maria? ¿Maria?
― Rubem? Rubem?

A porta se abriu silenciosamente e a mãe encontrou a filha sentada na cama, só de calcinha e coberta por uma inquietude. Oi, querida. O que está acontecendo? Escutei várias vezes você chamar por um Rubem e fiquei preocupada. A garota fechou o laptop bruscamente e se esticou para alcançar a blusa no tapete.

A dezenas de milhares de quilômetros, Sebastião pressionava continuamente o F9 do teclado para encontrar outra mulher com a qual pudesse espantar a solidão e se refugiar na madrugada. Já não precisava se esconder e dispunha de uma tela em cores maior que a da antiga elevisão portátil.

Nenhum comentário: