segunda-feira, 7 de maio de 2012

Gemido de prazer



Seus lábios escorregaram pelos seios macios, acomodaram no umbigo quente e continuaram descendo lentamente. Com as duas mãos, agarrou a calcinha pelos lados e foi baixando cada tira pouco a pouco, em movimentos alternados e sincronizados.

Viu a marca do biquíni desenhada em contraste com a pele morena. Sentiu o coração na garganta, mas não cessou os beijos – foi quando escutou um leve gemido de prazer e a vontade de torná-los contínuos e vibrantes o fez mergulhar nas suas profundezas.

Passou a calcinha pelas coxas, pelos joelhos, canelas, tornozelos, pés. Num movimento delicado, porém firme, escancarou as pernas dela. Pensava em tudo, ao mesmo tempo em que mantinha a mente vazia e não pensava em nada. Tremia um pouco, e não era frio.

Ouviu um gemer mais forte. Ergueu a vista e a encontrou deslumbrada, com o queixo alto, os olhos apertados, a cabeça apoiada para trás. Achava esta cena completamente divina. Piscou com a convicção de que tirava uma foto mental, e voltou faminto ao ambiente encantado.

Um comentário:

Anônimo disse...

Esta deve ser a sétima vez que leio. Ah...