quarta-feira, 18 de julho de 2012

Disputa de saque



Reproduzo um diálogo enviado por um amigo. Um diálogo, aliás, que me fez pensar. Será que tudo é disputa de saque até encontrarmos a pessoa correta? Quem jogou pingue-pongue (pingue-pongue! que palavra mais agradável de se falar e se escrever!) sabe o que me refiro.

Pois aqui vai:

– Isso deixou de ser “brincadeira” há um bom tempo. Não vou apagar teu número por motivo nenhum. É o tipo de amor que não me importa se sinto sozinha, se tenho a certeza dele sozinha. Foda-se. E já te disse isso algumas vezes.

– Eu também.

– Inclusive quando te dei um “livro”.

– Você já jogou pingue-pongue na vida?

– Já.

– Então sabe o que é “disputa de saque”?

– Sim, prossiga.

– São todas as outras de antes e de agora. Elas são “disputas de saque”. Não estava valendo, não está valendo. É como me sinto. Como se elas não “valessem”, e sim você. Você é o jogo principal, é a verdadeira “disputa”. Elas, disputas de saque.

– E isso tá sendo ruim?

– De jeito nenhum. A espera para te ter está sendo complicada. Por mim, estava te contando isso no pretérito perfeito, com a perfeição da sua cabeça no meu peito. Ambos nu.

– Por mim também. Nunca te escondi isso.

– Eu sei. Digo porque tinha essa vontade de te dizer outra vez.

– Eu ando tão desacreditada em tudo que a única coisa que carrego com certeza é a de nós. Mesmo quando tento não acreditar pra parar de doer por não sermos ainda. Que confusão. E que dramática.

– O que é um jogo se não um drama?

2 comentários:

Anônimo disse...

Chegou a alguma conclusão a respeito da tua pergunta inicial? (e não me refiro a pergunta direta e falada, e sim a que li entrelinhas).

Sujeito Oculto disse...

Não. Na disputa de saque, você sabe que é uma disputa de saque. Você não a confunde com o jogo.